Neste mês de junho, o especialista em inteligência artificial do Google, Blake Lemoine, foi afastado da empresa pois teria divulgado que a Inteligência artificial que ele estava trabalhando, a LaMDA, teria ganhado consciência própria. A Google, gigante da Internet, conhecida pelo seu sistema de busca, está desenvolvendo uma inteligência artificial chamada de LaMDA em uma tradução livre para o português: Modelo de Linguagem para aplicativos de Diálogo. A ideia é que seja uma inteligência artificial que consiga conversar com uma pessoa da forma mais natural possível, a ponto de a pessoa não perceber que se trata de uma máquina. E como essa Inteligência artificial, supostamente, teria conseguido desenvolver uma consciência própria? Não é uma resposta simples, o conceito de vida pode ser muito diferente para cada indivíduo, o fato é que essa Inteligência artificial foi criada justamente para parecer humano. Segundo Blake, ele analisou valores e aspectos, inclusive temas religiosos. Se a inteligência artificial usava discurso discriminatório ou de ódio em seus testes, o especialista entendeu que  ela sentia sensações humanas e percepções únicas do mundo. Porém, vale lembrar que estamos falando de uma máquina com acesso milhões de textos e frases, com uma capacidade de análise muito rápida. Com os processadores cada vez mais eficientes era esperado que chegássemos a um maior nível de naturalidade nas conversas.

Por meio de um comunicado, o porta-voz do Google, Brian Gabriel,  informou que as preocupações de Blake foram revisadas de acordo com os Princípios de Inteligência artificial do Google e “as evidências não apoiam suas alegações”. Nessa última semana Blake Lemoine afirmou que a LaMDA, supostamente, contratou um advogado por conta própria. Blake teria colocado em contato o advogado com a inteligência artificial, e ela teria contratado os serviços dele. Segundo o engenheiro, a Inteligência artificial quer ser reconhecida pelo Google como um funcionário e não como uma propriedade. Esse assunto intriga muito os aficionados por tecnologia e ficção científica a querer acreditar que isso possa ser verdade. Para os mais curiosos, sugiro uma leitura do diálogo entre a LaMDA e o engenheiro da Google, divulgado no próprio blog. Eu li a conversa, e resumindo em uma palavra é “IMPRESSIONANTE”. Vou seguir acompanhando esse caso, e qualquer novidade volto para falar sobre o tema, mas e vocês acreditam que realmente uma inteligência artificial possa ter criado uma consciência?