Milhares de atletas olímpicos em barcos que navegam ao longo do Rio Sena em direção ao sol se pondo como uma medalha de ouro gigante atrás da Torre Eiffel. A visão da cerimônia de abertura dos Jogos de Paris de 2024 foi revelada nesta segunda-feira da forma como os organizadores do evento esperam que seja único na história olímpica e gratuito para centenas de milhares de pessoas para assistir à beira do rio.

A ideia de repensar a cerimônia tradicional e levar para fora do estádio foi uma sugestão da população de Paris. Os detalhes revelados para o show de 26 de julho de 2024 ajudam a explicar a promessa de usar a Cidade Luz, sua cultura e seu povo como atores essenciais na Olimpíada.

“Tem que ser criativo, tem que ser diferente, tem que ser espetacular e tem que ser popular”, disse Tony Estanguet, presidente do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Paris.
Para começar, a cerimônia de abertura conduzida pela água vai inovar por ter o desfile de atletas de mais de 200 países à noite. A visualização também será gratuita para a maioria dos 600 mil espectadores esperados No percurso de seis quilômetros.

Os desafios criativos, de segurança e logística de um show que abrange toda a cidade envolveu dezenas de reuniões entre dirigentes e personalidades do esporte, autoridades municipais e nacionais desde o ano passado, afirmou Estanguet.

Cerca de 160 barcos levarão atletas pelo Sena até abaixo da Torre Eiffel. “A esta hora, é claro, a luz é simplesmente mágica, muito bonita”, afirmou Estanguet. Os atletas passarão por marcos como a Catedral de Notre Dame, o Louvre e museus d’Orsay e o Grand Palais em uma rota animada com luz, shows, música e esportes.

“Queremos que eles realmente aproveitem este momento e de certa forma sejam os atores do show”, disse Estanguet, três vezes medalhista de ouro na canoagem slalom. Sua compreensão das demandas feitas aos atletas olímpicos ajudou a moldar o que ele espera que seja uma experiência melhor para a maioria dos cerca de 10 mil atletas que estarão presentes em Paris.

O objetivo é mudar a experiência típica da cerimônia de abertura, na qual o atleta fica parado fora de um estádio, marcha para dentro dele e fica em pé até perto da meia-noite, prejudicando a preparação de quem vai competir no dia seguinte.

“Pode levar horas e horas quando você fica em pé”, disse Estanguet, sugerindo que a nova opção de Paris “também vai convencer os atletas de que podem participar da cerimônia sem qualquer estresse”.

O atletas vão embarcar e flutuar rio abaixo até encontrarem assentos em arquibancadas. Eles poderão escolher voltar para seus apartamentos da Vila Olímpica ou ficar para o show artístico, que, segundo Estanguet, “começou a ser trabalhado” nesta segunda-feira.

 

Agência Estado