Imagem: reprodução redes sociais

As imagens com ataques da Rússia à Ucrânia estão em todos os lugares, mostrando que a humanidade apesar de ter chegado à Lua ainda não conseguiu reduzir conflitos armados. Dentre as imagens do sofrimento dos ucranianos, de feridos e com fuga em massa da capital Kiev, a cena tocante que tem tomado conta das redes sociais é de cristãos do país ajoelhados na neve, orando em praça pública, pedindo o fim da guerra.

Outro vídeo que viralizou é o de ucranianos cantando em coro músicas cristãs em estações de metrô, que se transformaram em búnqueres contra projéteis. Em meio ao declínio da civilização ocidental, as canções falam de misericórdia, alegria e salvação ao povo da Ucrânia.

“Pare Com a Guerra”

No futebol, atletas e torcedores de diferentes clubes fizeram manifestações sobre o fim da guerra. No primeiro dia de ataques da Rússia, o jogador ucraniano Ruslan Malinovskyi (foto)  comemorou o gol mostrando a camiseta branca por baixo do uniforme do time onde estava escrito em inglês: “Sem Guerra na Ucrânia”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por УКРАЇНСЬКА АСОЦІАЦІЯ ФУТБОЛУ (@uafukraine)

Com o ato, o meia ganhou apoio da arquibancada que acompanhou a vitória do Atalanta por 3 a 0 sobre o Olympiacos, pela Liga Europa. Em outros jogos da competição, a torcida do Dínamo Zagreb na Croácia ergueu uma faixa dizendo: Apoie o Povo da Ucrânia, no jogo que o Sevilla perdeu por 1 a 0. Já na Conference League, torcedores noruegueses do Bodo/Glimt exibiram bandeiras ucranianas, durante a vitória de 2 a 0 contra o Celtic, na Escócia.

Antes de começar a partida entre Napoli e Barcelona pela segunda fase da Europa League, os jogadores das equipes estenderam uma faixa de apoio à Ucrânia: “Pare com a Guerra”.

Protestos

Em vários países manifestantes saíram em praças públicas e locais próximos das embaixadas russas em cidades como Tóquio, Tel Aviv e Nova York, para criticar a invasão da Ucrânia. Mais de mil tentaram fazer o mesmo na Rússia e foram presos. Também houve protestos em Londres, Paris, Madrim Berlim, Dublin e Praga.

Na própria Rússia, os manifestantes desafiaram aviso oficial que ameaçava explicitamente processos criminais e até prisão para aqueles que convocassem ou participassem de protestos. Cerca de 1.700 pessoas foram presas em mais de 50 cidades.

São Paulo

Um grupo de imigrantes e descendentes de ucranianos fizeram um ato em frente à Embaixada da Rússia no Morumbi, Zona Sul. Com cartazes, eles pediram paz e o fim da invasão russa ao território ucraniano.

O estado de São Paulo abriga cerca de dez mil ucranianos ou descendentes, de acordo com a embaixada. A presença de ucranianos na Grande São Paulo é forte, especialmente na região do ABC paulista.

Na cidade de São Caetano do Sul, por exemplo, existe até uma rua em homenagem aos ucranianos, além de igrejas onde a comunidade se reúne com frequência.