O presidente Jair Bolsonaro deixou hoje Dubai, nos Emirados Árabes, e seguiu para Manama, no Bahrein, segunda parada da viagem ao Oriente Médio. A agenda de Bolsonaro prevê a inauguração da embaixada do Brasil e também encontro com o rei Hamad Bin Isa Al-Khalifa, com a expectativa de assinatura de atos entre os dois países.

Bolsonaro chegou no sábado  a Dubai, onde, ao longo de três dias, teve encontros com os governantes do emirado e de Abu Dhabi, participou de um fórum de investimentos, visitou uma feira de aviação e participou do “Dia do Brasil” na Expo 2020, a exposição universal.

Em Dubai, o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros passaram a imagem de um País distante do real a autoridades do governo dos Emirados Árabes Unidos e empresários .

Na abertura do fórum Invest in Brazil,  Bolsonaro disse que a Amazônia não pega fogo.“Nós queremos que os senhores conheçam o Brasil de fato, e uma viagem, um passeio pela Amazônia é algo fantástico, até para que os senhores vejam que a nossa Amazônia, por ser floresta úmida, não pega fogo”.

Bolsonaro disse ainda aos potenciais investidores que a Amazônia é um “paraíso na terra”. Ele repetiu que mais de 90% da vegetação está preservada. Bolsonaro reclamou das críticas e cobranças de líderes mundiais e ativistas pela proteção do bioma.

Ao contrário do discurso do governo, dados do sistema de monitoramento Deter mostram nova alta em outubro, com 877 quilômetros quadrados de vegetação devastada, 5% a mais que no ano passado e recorde para o mês.

Ainda em Dubai, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que agora as questões do Enem “começam a ter a cara do governo”. Durante a semana, servidores do Inep disseram que sofreram pressão psicológica e vigilância velada na formulação do Exame deste ano, para que evitassem escolher questões polêmicas que eventualmente incomodariam o governo Bolsonaro.

Com isso, 37 funcionários de carreira entregaram seus cargos. Em seu terceiro dia de viagem oficial ao Oriente Médio, Jair Bolsonaro falou que ninguém mais precisa ficar preocupado com as questões absurdas,  segundo ele, que caiam como tema nas redações do Enem.

Bolsonaro disse também ter a garantia do ministro da Educação, Milton Ribeiro, que as provas, a partir do próximo domingo, vão ocorrer com absoluta tranquilidade.

Já os deputados da Comissão de Educação da Câmara pretendem convocar nesta semana o ministro da Educação, Milton Ribeiro, para dar explicações sobre a debandada de servidores do Inep, responsável por cuidar das provas do Enem e do Enade. O pedido deve ser votado hoje. 

O presidente Jair Bolsonaro afirmou  que espera, dentro de “pouquíssimas semanas”, se “casar ou desfazer o noivado” com o PL. O presidente falou com a imprensa na saída da Expo 2020, em Dubai. Este é o terceiro dia da viagem oficial ao Oriente Médio. “Eu espero em pouquíssimas semanas, duas, três, no máximo, casar ou desfazer o noivado. Mas eu acho que tem tudo para a gente casar e ser feliz”.

Na semana passada, o PL havia anunciado que o presidente se filiaria ao partido. E marcou a data do ato de filiação para o dia 22 deste mês. A ida de Bolsonaro para o partido começou a ficar indefinida no último domingo, quando o próprio presidente falou para jornalistas, em uma feira de aviação em Dubai, que ainda tinha pendências para conversar com Valdemar Costa Neto, presidente do PL.