O Brasil registrou, oficialmente, 48 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas. Ainda de acordo com dados Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o país detectou mais 2.082 novos casos da doença. Os números que indicariam a menor média móvel de novos casos de 2021 podem ter sido afetados.

Ao menos 11 estados não notificaram dados por conta do ataque cibernético que ocorreu no sistema do Ministério da Saúde na última sexta-feira. Além do Conecte SUS, o ataque também atingiu os sistemas de notificação de casos do novo coronavírus e do Programa Nacional de Imunização. O Brasil soma 616.878 óbitos e mais de 22 milhões de casos registrados desde o começo da pandemia.

Vacinados – Mais de 139 milhões e meio de pessoas tomaram a segunda dose ou dose única de vacinas e, assim, estão totalmente imunizadas. Este número representa 65,4% da população. A dose de reforço foi aplicada em cerca de 20 milhões e OITOCENTAS MIL pessoas, o que representa 9,8% dos habitantes. Já a porcentagem dos que tomaram ao menos a primeira dose de vacinas é de 75,1%.

(foto: Agência Brasil)

Hackers – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, confirmou que o site da pasta sofreu um novo ataque hacker entre o domingo, 12, e esta segunda-feira, 13. “Houve esse outro ataque. Infelizmente somos vítimas dessas figuras que têm, de maneira criminosa, invadido sistemas”, declarou o ministro. “Tentado invadir. Eles não conseguem invadir, mas tumultuam, atrapalham”, completou.

Inicialmente, o ministério havia negado o acontecimento. “São duas coisas diferentes. Aquele primeiro ataque não foi um ataque ao Ministério da Saúde, aquilo foi a nível da Embratel. E felizmente, os dados não foram comprometidos”, disse Queiroga. A primeira invasão aconteceu na sexta-feira, 10, e tirou do ar informações sobre a vacinação contra a covid-19 de usuários que acessam a plataforma Conecte SUS.

A Polícia Federal abriu um inquérito para apurar o caso. Com os sistemas vulneráveis, o governo federal resolveu adiar em uma semana as restrições para viajantes que chegam de outros países. Originalmente, as medidas começariam a ser aplicadas no último sábado, 11, com a exigência do comprovante de vacinação ou, em caso de não imunizados, o cumprimento de uma quarentena de cinco dias.

 

jornal O Estado de S.Paulo