Dados da terceira edição do Atlas de Saneamento, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, apontam que as doenças relacionadas ao Saneamento Ambiental Inadequado causaram 1% dos óbitos ocorridos no Brasil entre 2008 e 2019. Esse montante representa 22% das mortes ocorridas apenas por doenças infecciosas e parasitárias no Brasil. As regiões Centro-Oeste, com 43%, e Nordeste, com 27%, são as que registraram os maiores percentuais. O relatório afirma que as principais causas de morte foram Doença de Chagas, diarreia e disenteria, que corresponderam a 81,5% dos óbitos no período.

(foto: Agência Brasil)

Já a terceira causa de óbitos nas regiões Sudeste e Centro-Oeste foram por dengue, zika e chikungunya. Já na região Norte, foi a leishmaniose; no Nordeste, a esquistossomose; e, no Sul, a leptospirose. O levantamento também mostra que, enquanto 99,6% dos municípios tinham abastecimento de água por rede geral, apenas 60% faziam coleta de esgoto em 2017. Entre as unidades da Federação, somente São Paulo, com 93%, Rio de Janeiro, com 87%, e o Distrito Federal, com 86%, registraram taxas superiores a 85% de domicílios atendidos pelo serviço de coleta de esgoto.