Um relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância aponta que, na cidade de São Paulo, chega a no máximo 28% o índice de equipamentos ou produtos usados por pacientes do SUS com deficiência em reabilitação cedidos pelo poder público. Na lista estão, por exemplo, cadeiras de roda e aparelhos auditivos.

O relatório mostra ainda que 69% dos produtos foram comprados ou com recurso próprio ou com a ajuda de parentes e amigos. No mundo, a média de pagamentos do próprio bolso foi de 65%. O estudo recolheu dados de 35 países, onde mais de 330 mil pessoas foram ouvidas. No Brasil, foram 929 entrevistados.

 

jornal O Estado de S.Paulo