Um relatório do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (CISA), com dados do Datasus, aponta que, durante a pandemia, houve um aumento de 24% nos óbitos relacionados diretamente ao consumo excessivo de álcool.

Também ocorreu uma queda de 15% nas internações desse tipo de paciente em relação a 2019. A maior alta nos óbitos foi entre adultos de 35 a 54 anos.

O fenômeno também foi observado em outros países, como Estados Unidos e Reino Unido.

Segundo o estudo, a pandemia levou a um afastamento das redes de apoio e mudanças na rotina. Elas foram gatilhos para recaídas que, não tratadas a tempo, podem levar à morte.

 

Da Redação