A Fundação Oswaldo Cruz lançou uma nova cartilha, com recomendações que orientam sobre formas mais seguras de passar o Natal e o Réveillon e diminuir os riscos de transmissão da Covid-19 no período das festas.

Deve-se dar preferência para espaços abertos e ventilados; obedecer o limite de pessoas para que não ocorra aglomerações; evitar ar-condicionado; evitar o uso de toalhas de pano, disponibilizar álcool em gel em toda a área dos encontros, idosos e imunossuprimidos devem ficar nos locais mais arejados e sempre de máscara, pedir ao convidados que não apareçam caso apresentem algum sintoma, mesmo que leve.

O mesmo deve ser feito por pessoas que tiveram contato com algum infectado nos últimos 14 dias. Além disso, deve-se manter máscaras em sacos plásticos individuais durante a ingestão de comida e líquidos; manter sempre as mãos higienizadas, fazer separação de mesas por famílias.

Em caso de viagens, não viajar se estiver com sintomas, verificar se o hotel respeita as normas sanitárias anti-Covid, não levar as mão ao rosto depois de tocar em portas, objetos e corrimões sem antes higienizá-las, manter distanciamento de pelo menos 1 metro e meio dos demais ao retirar a máscara em ambientes coletivos, entre outros.

No entanto, o coordenador do Observatório Covid, da Fiocruz, Carlos Machado, destaca qual é a principal recomendação. Estar vacinado é o melhor presente de fim de ano que podemos dar aos nossos entes queridos:

Além da cartilha, as orientações também serão divulgadas em formato de cards informativos, que podem ser compartilhados pelo WhatsApp e demais redes sociais, bem como por uma enquete nas redes, que simula um jogo para a pessoa que deseja ir a um encontro de fim de ano da maneira mais segura possível.

 

Da Redação