Angelita Gama espera incentivar novas gerações de médicos no Brasil Foto: Divulgação

A professora emérita da USP, Angelita Gama, foi reconhecida pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, como uma das médicas que mais contribuíram para o desenvolvimento da Ciência no mundo.

A instituição americana divulgou recentemente uma atualização da lista que representa os 2 por cento dos cientistas mais citados em várias disciplinas.

Angelita Gama é autora de estudos relevantes sobre doenças do intestino e foi a primeira mulher residente em cirurgia geral no Hospital das Clínicas da USP.

A cirurgiã é reconhecida por alterar o paradigma mundial adotado durante quase todo o século 20 para o tratamento do câncer na área do intestino.

Ao longo da carreira ocupou cargos em sociedades médicas do Brasil e do exterior e publicou mais de 200 artigos em revistas científicas.

Em entrevista ao Estadão, Angelita Habr-Gama disse que suas conquistas exigiram muito estudo e dedicação.

A médica, que  atua no Hospital Alemão Oswaldo Cruz, espera que o reconhecimento ao seu trabalho possa servir de estímulo a outros médicos e cientistas brasileiros.