Os pré-candidatos à Presidência da República Sérgio Moro, João Doria, Simone Tebet e Felipe d’Avila publicaram, nesta terça-feira, 01, nas redes sociais, um manifesto assinado em conjunto em apoio à Ucrânia. No texto, eles pedem ao governo brasileiro “que se posicione e que una às nações que defendem a soberania” do país do leste europeu. O texto ainda diz que não há espaço para neutralidade quando os princípios da defesa da paz, da soberania nacional e da legitimidade da ordem internacional são violados.

 

Bolsonaro – Nesta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro evitou condenar a invasão da Ucrânia e se mostrou cauteloso ao comentar a invasão e a guerra iniciada pela Rússia. Bolsonaro realizou ontem um passeio de jet-ski em Praia Grande, litoral de São Paulo, e ouviu manifestações tanto de apoio quanto contra o governo dele. O político está hospedado desde sábado no hotel de trânsito do Forte dos Andradas, onde deve permanecer até esta quarta-feira.

Encarregado de negócios – Questionado sobre a recusa do presidente Jair Bolsonaro em conversar com o líder ucraniano, Volodymyr Zelensky, o encarregado de negócios da Ucrânia no Brasil, Anatoliy Tkach, avaliou que o chefe do Planalto poderia começar com uma palavra de solidariedade com o povo ucraniano.

Ainda assim, ele agradeceu a iniciativa do governo brasileiro em conceder visto humanitário para os cidadãos ucranianos que fogem do país. Anatoliy aproveitou para pedir que todos os países cortem os laços comerciais com a Rússia. Disse que fazer negócios com a Rússia agora significa financiar agressão, crimes de guerra, desinformação e ataques cibernéticos.

 

Da Redação