O Ministério Público Federal investiga o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Duarte Guimarães, por assédio sexual e constrangimento. Várias funcionárias já foram ouvidas pelos procuradores, segundo o site Metrópoles. A investigação segue sob sigilo.

Elas dizem que se sentiram abusadas em diferentes ocasiões, sempre durante compromissos de trabalho. Relatam toques íntimos não autorizados, abordagens inadequadas e convites incompatíveis com a relação de trabalho. Por exemplo, convites, durante as viagens, para as funcionárias irem à piscina ou à sauna na companhia dele nos horários de folga na agenda.

Uma das funcionárias disse que, dependendo da proximidade que tem com algumas das mulheres, Pedro Guimarães passa a se sentir “dono” delas. É comum ele pegar na cintura, pegar no pescoço. Há relatos de que mulheres bonitas são escolhidas para viagem a trabalho ou transferência para Brasília, mesmo não preenchendo os requisitos profissionais.

Segundo as funcionárias, durante as viagens, pessoas próximas a Pedro Guimarães chegam a cogitar a hipótese de elas serem convidadas a transar com ele. Muitas são chamadas para levar objetos ao quarto dele e acabam passando por constrangimentos.

 

Da Redação