O ex-juiz e ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, assumiu a intenção de disputar a Presidência da República pelo Podemos, partido ao qual se filiou recentemente. Em entrevista ao Programa Conversa com Bial, na TV Globo, Moro disse nesta madrugada que o projeto seguirá adiante se o brasileiro tiver confiança nele.

Afastado do debate nacional desde que deixou Ministério da Justiça em abril de 2020 quando foi atuar em uma empresa de consultoria nos Estados Unidos, o ex-juiz tenta agora conseguir apoio nas bases “lavajatistas”, incluindo grupos que lideraram as manifestações pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, como o Vem Pra Rua e o Movimento Brasil Livre.

Sérgio Moro disse que foi convidado pelo Podemos para liderar um projeto de País e recuperar o que chama de “sonhos perdidos”. Afirmou também que tem apoio de um grupo de especialistas e que as conversas estão voltadas principalmente à economia. Um dos conselheiros é o ex-presidente do Banco Central Affonso Celso Pastore.  

Sobre as declarações dadas no passado de que jamais seria candidato, o ex-juiz disse que na época em que era juiz estava focado no combate à corrupção e acreditava que iria virar o jogo. Moro disse que encarou a oportunidade de virar ministro da Justiça como uma missão por um propósito maior, mas que foi boicotado pelo governo Bolsonaro em seu projeto de combate à corrupção.