Prédio destruído por ataque russo na cidade portuária de  Mariupol Foto: Nexta TV/Reprodução

A Ucrânia chegou a um acordo preliminar com a Rússia para estabelecer um corredor humanitário para retirar ainda hoje mulheres, crianças e idosos de Mariupol.

A cidade portuária, que foi praticamente destruída pelas bombas, está sem água, energia e alimentos.

Desde sábado, nenhum corredor humanitário está operando na Ucrânia devido à falta de acordo com Moscou, que intensificou seus ataques no leste da Ucrânia nos últimos dias.

 

No total, 300 mil ucranianos foram evacuados através desses dispositivos desde o início da guerra em 24 de fevereiro, de acordo com dados divulgados na noite de terça-feira (19) pelo Ministério da Reintegração da Ucrânia.

A conquista total de Mariupol é fundamental para os objetivos militares do presidente Vladimir Putin na Ucrânia. O domínio irá facilitar o deslocamento no leste ucraniano, região em que vivem separatistas russos e também o acesso à Crimeia.

Mercenários
Até 20 mil mercenários da empresa militar privada russa Grupo Wagner, e outros procedentes de Síria e Líbia, estão lutando ao lado das forças de Moscou na Ucrânia, segundo informaçõe da AFP.

Boa parte seria do Grupo Wagner, uma organização que é apontada como próxima do presidente russo Vladimir Putin e que recrutaria mercenários.

No fim de março , o Ministério da Defesa do Reino Unido disse que mais de mil mercenários do Grupo Wagner poderiam estar participando dos combates na Ucrânia, incluídos altos dirigentes dessa organização.

Internet
O governo da Ucrânia, ao lado das empresas de internet do país, está bloqueando o acesso de tropas russas à rede mundial de computadores. O objetivo de Kiev é dificultar as comunicações entre soldados que estão no país e com pessoas na Rússia.

Ao mesmo tempo que atua contra as forças armadas russas, o governo da Ucrânia e as empresas de telecomunicação do país tentam reestabelecer a conexão de moradores de áreas que foram alvos do conflito armado.

Os danos também se estendem à malha de transportes do país. De acordo com o ministro de Infraestrutura da Ucrânia, Oleksandr Kubrakov, a invasão da Rússia já destruiu 30% da infraestrutura do país.

Caças
O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que a Ucrânia recebeu caças e peças de reposição para reforçar sua aviação na guerra contra a Rússia.Ele não especificou quantos, o tipo de aeronave e sua origem.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pede o envio de caças há semanas, pois considera a capacidade de combate aéreo fundamental para vencer os russos.

Kiev pedia aos aliados ocidentais os caças MiG-29 que seus soldados sabem pilotar e que um punhado de países do Leste Europeu possui.

No início de março, foi discutida a possível transferência desses aviões russos da Polônia, mas os Estados Unidos se opuseram por medo de que a Rússia pudesse considerar um envolvimento direto demais da Otan no esforço de guerra.