Tropas russas estão a 25 Km da capital ucraniana Kiev Foto: Reprodução

Tropas russas avançaram neste sábado ainda mais em direção a Kiev e estão a 25 quilômetros da capital ucraniana.

A informação é de um relatório do serviço de inteligência do Ministério da Defesa do Reino Unido, que enviou aviões com equipamentos médicos e ajuda humanitária à Ucrânia.

Ao longo desta madrugada, explosões e tiros foram ouvidos nas proximidades de Kiev. Por conta do avanço, os planos de evacuação da população da capital ucraniana e dos arredores ao longo deste sábado ficaram comprometidos.

Na cidade de Donetsk, autoridades locais também disseram que tropas russas não estão respeitando os corredores humanitários.

Neste sábado, o governo da Ucrânia anunciou novos corredores humanitários em várias cidades e vilarejos.

Líderes da União Europeia reunidos nesta sexta-feira (11) em Versalhes, na França, disseram que o bloco está pronto para aplicar sanções econômicas ainda mais duras à Rússia caso os ataques à Ucrânia continuem.

“Não há nada fora da mesa de negociação, nem nenhum tabu. Faremos tudo que seja necessário para frear a Rússia”, declarou o presidente francês, Emmanuel Macron, que encabeçou a reunião.

O grupo também indicou que pode dar mais fundos para armar soldados ucranianos mas negaram acelerar o processo de entrada da Ucrânia na União Europeia.

O chefe da diplomacia europeia, o espanhol Josep Borrell, disse que a UE deve oferecer algo em torno de R$ 3 bilhões extras para que a Ucrânia possa comprar mais armamentos, além de se comprometer a ajudar na reconstrução do país depois do fim da guerra.

A Ucrânia acusou, nesta sexta-feira, as forças russas de violar a lei internacional ao sequestrar o prefeito de Melitopol, uma cidade no sudeste da Ucrânia que está sob controle russo durante a invasão.

Sequestro de prefeito

A Rússia não se pronunciou quanto ao prefeito Ivan Fedorov. A Ucrânia, por outro lado, diz que “as forças russas o sequestraram depois de falsamente acusá-lo de terrorismo”.

“O sequestro do prefeito de Melitopol é classificado como crime de guerra sob as Convenções de Genebra e o Protocolo de Emenda, que proíbem a tomada de reféns civis durante a guerra”, disse o Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia em comunicado.

Pelo menos 1.582 civis de Mariupol, no sul da Ucrânia, morreram por causa dos ataques russos.A cidade está cercada há 12 dias.

As informações são da Câmara Municipal de Mariupol. “Nós nunca vamos perdoar e nem esquecer esse crime contra a humanidade”, afirma o comunicado.