Mulher descansa com seus filhos depois de viajar de Ovruch, na Ucrânia, para Medyka, na Polônia Foto: John Stanmeyer/Unicef

As forças russas iniciaram hoje um cessar-fogo para que civis possam deixar áreas afetadas pelo guerra e que também já sofrem com a falta de recursos básicos.

Corredores humanitários foram abertos a partir da capital, Kiev, além de Cherhihiv, Sumy, Kharkiv e Mariupol, segundo as agências oficiais.

A mídia local mostrou imagens de civis sendo evacuados. A cidade de Sumy chegou a ter áreas residenciais bombardeadas no final da noite de segunda. Autoridades locais informaram que ao menos 10 pessoas foram mortas nos ataques, incluindo crianças.

Canais oficiais do governo ucraniano também publicam vídeos com cenas da evacuação. Ao menos 35 ônibus já saíram de Sumy, e mais de 20 toneladas de ajuda humanitária chegaram pelos corredores humanitários.

A Rússia já havia anunciado na segunda-feira que decretaria um cessar-fogo para rotas de fugas humanitárias nessas cinco cidades.

Após o anúncio, o embaixador da Ucrânia na Organização das Nações Unidas (ONU), Sergiy Kyslytsya, criticou a forma como os russos têm tratado o tema. Uma das principais queixas foi o fato de o país permitir a fuga somente para os territórios russo e bielorrusso.

As Forças Armadas ucranianas declararam mais cedo que a Rússi a continua o avanço, mas o ritmo de suas tropas diminuiu significativamente”.

O aparente recuo russo ocorre no momento em que as potências ocidentais intensificam as sanções econômicas sobre o país de Vladimir Putin e discutem seriamente um boicote ao petróleo russo, numa jogada que envolve a compra do produto na Venezuela pelos Estados Unidos.

Apesar das dificuldades, os ucranianos estão continuamente fugindo da guerra e indo principalmente para a vizinha Polônia.

A Guarda de Fronteira Polonesa informou, nesta terça-feira, que 141.500 ucranianos atravessaram a fronteira ontem. Com isso, a Polônia já abriga 1,2 milhão de refugiados da guerra.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), 2 milhões de pessoas saíram do território ucraniano desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro.

O governo ucraniano veta a fuga de homens de 16 a 60 anos, de forma que a grande maioria dos refugiados são mulheres e crianças.

Ucrânia mata 2º general russo na guerra

A inteligência militar da Ucrânia afirmou hoje que as forças ucranianas mataram um general russo perto da cidade sitiada de Kharkiv. Ele seria o segundo comandante russo a morrer durante a invasão.

O major-general Vitaly Gerasimov, primeiro vice-comandante do 41º Exército da Rússia, foi morto na segunda-feira, disse a Diretoria-Chefe de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia em comunicado.

O Ministério da Defesa da Rússia não pôde ser imediatamente contatado para comentar.
Outro general russo, Andrei Sukhovetsky, também vice-comandante do 41º Exército, foi morto no final de fevereiro.

A Ucrânia diz que suas forças mataram mais de 11 mil soldados russos. A Rússia confirmou cerca de 500 perdas.