Corpos foram encontrados em valas comuns após saída de tropas russas dos arredores de Kiev Foto: Divulgação

O governo ucraniano denunciou neste domingo um massacre de civis em áreas que haviam sido ocupadas pelo Exército russo na região de Kiev, em particular na cidade de Bucha, a 37 quilômetros da capital. Foram encontrados 410 corpos.

As denúncias, que se seguiram à divulgação de imagens de corpos em roupas civis nas ruas, causaram indignação entre as autoridades dos Estados Unidos e da Europa, que condenaram as mortes como “crimes de guerra” e pediram investigações internacionais.

 A ONU também falou de “possíveis crimes de guerra” e pediu investigações. A Rússia negou as acusações e afirmou que se retirou da região ao redor de Kiev após Moscou afirmar que terminara a primeira fase da guerra e que iria se concentrar “na libertação” de áreas no Leste, onde atuam os separatistas pró-Moscou, e no Sul.

Tropas ucranianas já tinham reconquistado algumas áreas e reocuparam as restantes das quais os russos se retiraram. 

A ONG Human Rights Watch anunciou ter documentado casos de violação das leis de guerra pela Rússia com ataques contra civis nas regiões de Kiev, Tchernihiv e Kharkiv.

As ocorrências foram relatadas por vítimas e testemunhas e incluem casos de estupro contra mulheres ucranianas, execuções sumárias e saques.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, também acusou soldados russos de plantarem minas e outras armadilhas enquanto se retiravam do Norte da Ucrânia.Em um discurso em vídeo, o presidente ucraniano, Zelensky pediu o fim dos “crimes de guerra” russos.

 Russos envenenados

Ao menos dois soldados da Rússia morreram e outros 28 foram internados em um hospital na cidade de Izyum, no leste da Ucrânia, depois de comerem pães recheados entregues a eles por moradores. A suspeita é de que os doces estavam envenenados.

Outros 500 militares estão se recuperando depois de tomarem uma bebida alcoólica oferecida também por civis. Ontem, a cidade portuária de Odessa foi atingida por mísseis russos.

O local estava livre de ataques há alguns dias. A nova ofensiva pode indicar um interesse renovado da Rússia em capturar a área à medida que se retira da capital Kiev e se concentra no sul e no leste da Ucrânia.