Um levantamento do Instituto Data Favela aponta que 3 de cada 4 dos mais de 17 milhões de moradores de favela no Brasil já tiveram, tem ou gostariam de ter seu próprio negócio. Pelo menos 50% dos entrevistados afirmam que se consideram empreendedores; já 40% dizem que sobrevivem desta forma.

O relatório concluiu que, apesar da falta de políticas públicas, os moradores destas comunidades estão empreendendo e chamando para si a responsabilidade de suas vidas. No entanto, apenas 37% dos que empreendem têm CNPJ, por causa de uma série de dificuldades com documentos e liberação de crédito.

A pesquisa deixa claro que os bancos hoje não oferecem crédito de acordo com a necessidade da favela e que, além disso, falta conhecimento para expandir o negócio através da tecnologia, por mais que hoje nove em cada dez moradores da favela tenham acesso à internet.

Estima-se que os moradores das favelas movimentam quase 181 bilhões reais por ano na economia, um valor superior a 21 dos 26 estados brasileiros e o Distrito Federal. Mais de 3 milhões de pessoas que vivem nestas comunidades afirmaram que pretendem comprar eletrodomésticos nos próximos 12 meses; e 1 milhão e meio esperam adquirir um carro.

Pelo menos metade dos que utilizam a internet fazem compras online e quase 40% reclamam que as entregas por muitas vezes não chegam à porta de casa.

 

Da Redação