Reajuste salarial de 5% vai obrigar governo a cortar gastos e não repõe perdas do funcionalismo Foto: Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro decidiu pelo reajuste salarial de 5% a todos os servidores federais a partir de julho, incluindo os militares. O assunto foi discutido ontem com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

O aumento não irá recompor as perdas provocadas pela inflação oficial, que em 12 meses ficou em 11 vírgula 3 por cento, de acordo com o IPCA.

O custo estimado da medida é de cerca de 6 bilhões e meio de reais. Como o governo tem somente 1 bilhão e 700 milhões para essa finalidade, será preciso fazer cortes em outras áreas. 

O objetivo inicial do presidente Jair Bolsonaro era conceder reajuste apenas aos policiais e demais agentes federais. A reação das demais categorias foi imediata, com greves e operações-padrão que já atrapalham a movimentação nos portos.

O reajuste de 5 por cento acabou desagradando a todos. O presidente Jair Bolsonaro não cumpriu a promessa feita aos policiais federais, os demais servidores ficam insatisfeitos com o índice, e o ministro Paulo Guedes, que chegou a declarar que o aumento para o funcionalismo nas circunstâncias atuais seria uma desonra para as gerações futuras de brasileiros.