O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou ontem o fim do isolamento obrigatório na Inglaterra para pessoas contaminadas por covid, medida-chave e controversa em sua nova estratégia de combate à pandemia, que propõe a convivência com a doença, como se faz com a gripe.

“Já temos níveis de imunidade suficientes para passar da proteção das pessoas por meio de intervenções governamentais a vacinas e tratamentos como primeira linha de defesa”, declarou o chefe do governo no Parlamento. “As restrições têm custo importante para nossa economia, nossa sociedade, nosso bem-estar mental e as oportunidades dos nossos filhos e não temos de continuar pagando esse preço por mais tempo”, disse.

O fim do isolamento para as pessoas infectadas com a covid-19 entra em vigor na quinta-feira. No entanto, até 1.º de abril, recomenda-se permanecer em casa em caso de teste positivo. Nesse dia, os testes para detectar o coronavírus deixarão de ser gratuitos, exceto para as pessoas idosas ou vulneráveis.

Johnson destacou que a pandemia não acabou, mas que 71% dos adultos receberam três doses de alguma das vacinas anticovid no Reino Unido, 93% da população de mais de 70 anos.

 

(COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.