A Cinemateca Brasileira já tem data para sua reabertura: será no dia 12 de maio, com a exibição do filme Macunaíma, dirigido por Joaquim Pedro de Andrade em 1969. A sessão será para convidados e o longa, que foi restaurado pela instituição, vai ser exibido em 35 mm na enorme tela que fica na área externa do espaço, na Vila Clementino, em São Paulo.

Já nos dias 13, 14 e 15 (sexta, sábado e domingo), haverá uma mostra dedicada a José Mojica Marins, o Zé do Caixão, com sessões abertas para o público.

No primeiro dia do evento, será exibido o média-metragem inédito A Praga (1980), restaurado e finalizado pelo produtor Eugenio Puppo, que encontrou as latas do filme perdidas no escritório do cineasta, quando organizava, em 2007, uma retrospectiva do Mestre do Terror.

A Cinemateca Brasileira reabre após um ano fechada, período marcado por alagamento, incêndios e processo de abandono promovido pelo governo federal, que assumiu a gestão em 2020.

Em janeiro do ano passado, o comando da instituição passou para a Sociedade Amigos da Cinemateca, que restituiu o emprego de alguns funcionários demitidos em 2020, como Maria Dora Mourão, que agora é a nova diretora do espaço.

No primeiro momento, a sala principal, com capacidade para 210 pessoas, irá funcionar exibindo filmes de quinta a domingo.

Em uma próxima etapa, a segunda sala voltará a funcionar, assim como a cafeteria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.