A Academia de Hollywood convidou nesta quarta-feira o ator Will Smith a enviar uma declaração por escrito sobre sua conduta no Oscar no último domingo, 27, quando deu um tapa no comediante Chris Rock por conta de um comentário sobre sua esposa, Jada Pinkett Smith.

De acordo com um comunicado enviado à Agência Efe, o ator tem 15 dias para enviar essa declaração e se defenda antes que a Academia “tome qualquer medida disciplinar”, que pode ser “suspensão, expulsão ou qualquer outra sanção permitida nos estatutos”.

Além disso, a Academia esclareceu que pediu a Smith que deixasse a cerimônia, mas ele se recusou, embora a organização tenha admitido que “poderia ter lidado com a situação de maneira diferente”.

‘Achei repugnante’

Este esclarecimento ocorre após uma dos apresentadores da cerimônia, Wanda Sykes, criticar no programa de Ellen DeGeneres a permissividade da Academia com o ator.

“Você agride alguém, eles te escoltam para fora do edifício e ponto final. Mas, para eles deixarem a cerimônia continuar… Achei repugnante”, disse Sykes, que depois teve de subir ao palco para continuar o evento.

Segundo ela, o fato de terem deixado Smith desfrutar do resto do evento e aceitar o Oscar enviou “a mensagem errada” aos telespectadores.

Resiliência no palco

A Academia também levantou o tom na sua última declaração, considerando a ação de Smith “traumática e profundamente chocante para se testemunhar pessoalmente e na televisão”. Também pediu desculpa a Chris Rock, agradecendo o comediante pela “resiliência no palco”.

“Pedimos também desculpa aos nossos indicados, convidados e espectadores pelo que aconteceu durante o que deveria ter sido um evento comemorativo. As coisas se desdobraram de uma forma que não podíamos ter previsto”, comentou a organização.

Embora a primeira medida discutida tenha sido a retirada do Oscar que Smith ganhou na noite, como protagonista de King Richard, a declaração não faz referência a essa possibilidade e generaliza quando se trata de aplicar “outras sanções”.