Responsável pela preservação da produção audiovisual do país e com o maior acervo cultural, a Cinemateca Brasileira, localizada na zona sul da capital paulista, será reaberta na próxima sexta-feira, 13.

Para a reabertura está programada uma mostra dedicada a José Mojica Marins – o Zé do Caixão, com sessões também nos dias 14 e 15 (sábado e domingo). O espaço ficou fechado por um ano e meio por causa de alagamento, incêndio e um processo de abandono.

Em novembro de 2021, por meio de edital, foi selecionada, pelo governo federal, a Sociedade Amigos da Cinemateca para assumir a gestão do espaço. A nova diretora da Cinemateca é a professora titular aposentada da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, Maria Dora Mourão, para um mandato de quatro anos

 

Programação / Mostra O cinema sem medo de Mojica

Dia 13 de maio, sexta-feira, na área externa

(500 lugares)

19h: Abertura

20h: A Última Praga de Mojica (17 min) e A Praga (52 min)

Dia 14 de maio, sábado, na Sala Grande Otelo

(210 lugares + 4 assentos para cadeirantes)

16h: Mesa com André Barcinski, Dennison Ramalho e Paulo Sacramento

18h: Encarnação do Demônio (94 min)

20h: Trilogia de Terror (101 min)

Dia 15 de maio, domingo, na Sala Grande Otelo

(210 lugares + 4 assentos para cadeirantes)

18h: O Despertar da Besta (Ritual dos Sádicos) (92min)

20h: Exorcismo Negro (100 min)

 

Endereço:

Cinemateca Brasileira – Largo Senador Raul Cardoso, 207 – Vila Mariana, São Paulo (SP) – Ingressos gratuitos e distribuídos uma hora antes de cada sessão.

 

Da Redação